terça-feira, 27 de junho de 2017

À Procura de um Deus para Amar



Um percurso de descoberta de um Deus pessoal e próximo, cujo ponto de chegada é: "Aquele que sempre procurámos está realmente lá".

O autor escreve neste livro, sobre a busca incessante de Deus, por parte da humanidade. 
Alguns procuram-no para satisfazer a sua própria vontade, outros para provar que afinal Ele não existe;  
Alguns não aceitam que Ele existe, outros não aceitam determinado Deus, porque são contrários a um Deus que permite o sofrimento, que afinal não é assim tão poderoso, pois não faz nada para aliviar a dor. E nesta negação de Deus, todos o procuram e Ele está lá.

O autor explica por palavras claras, apoiado nas suas crenças cristãs, que Deus existe mesmo, e está literalmente ao nosso lado. Basta que abramos os olhos para o ver.

A minha opinião? Comecei as primeiras páginas e pensei, há tantos livros sobre o tema que não sei se este tem miolo suficiente para me prender. E tem!
A forma de escrever do autor, professor de adolescentes, é do melhor para adultos. É tudo o que uma escrita deve ser para nos cativar e no final nos levar a pensar duas vezes (ou muitas mais) - Deus existe mesmo!

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Bíblia Sagrada

Depois de umas quantas publicações sobre leituras cristãs e depois de ler numa publicação do instagram pessoas a perguntarem (não a mim, mas tive acesso por intermédio de uma instamiga comum) quem lia a Bíblia e como liam a Bíblia, não podia deixar de publicar a minha opinião sobre o assunto.
Gosto de ler quase tudo, gosto de ler a Bíblia e gosto de escrever, sobre quase tudo - é uma boa junção para o post que se segue.



A história da Bíblia é por demais conhecida para estar aqui a falar dela, por isso, avanço. Quando começaram a ser impressas e difundidas ao publico em geral, eram livros com um aspeto sóbrio, normalmente com capa negra com as extremidades das folhas pintadas de ouro ou de vermelho, as mais económicas.


Com o passar do tempo, como tudo, evoluiu a sua apresentação e passaram a existir com capas, tamanhos e folhas de todas as cores.





O meu primeiro luxo foi uma Bíblia de capa branca, que me foi oferecido quando me batizei, tinha eu 16 anos.
E além do tamanho da letra que influi no tamanho do livro, ainda existem, com ou sem marcadores de página, que facilitam a procura dos livros desejados, no meio de um livro com tantas e tão finas folhas.
Seja qual for o modelo exterior, o miolo é o mesmo: divide-se em dois grandes grupos Velho Testamento (desde a criação do homem até antes do nascimento de Jesus Cristo) e Novo Testamento (desde o nascimento de Jesus Cristo, até ao fim do mundo e restauração do reino de Deus). 

Agora, passando ao assunto que me levou a esta publicação:

Podem usar-se diversos métodos para estudar a bíblia.
O método menos exigente e que chamo de recreativo, é começar no inicio e ler como se de um simples livro se tratasse. Para quem nunca a leu, será uma boa forma de se inteirar de como está escrito e aprender a manuseá-la.

O mais eficaz, no entanto, é ler a Bíblia, como um livro de estudo. Algumas Bíblias têm no final, índice de temas com anotação dos livros/capítulos/versículos onde falam sobre os mesmos.



Outras ainda, têm dentro dos próprios livros, chamadas de atenção sobre o que está escrito. Normalmente dentro de caixas de texto, com cor diferenciada, ou no final da página com indicação do versículo em causa, onde é apresentado o contexto ou factos sobre os assuntos tratados.

Outro método é escolher um versículo, a gosto ou ao acaso e depois de o ler com atenção, verificar se tem chamadas (normalmente são letras ou números) que se vão repetir no final da página ou nas margens laterais e encaminhar para outros versículos em outro livro.

Existe ainda a forma de estudos bíblicos, em que folhetos, revistas e estudos online ou power point permitem o estudo/leitura da Bíblia com um tema como base.

Tenho várias Bíblias em casa, ou não fosse eu amante de livros (já disse aqui várias vezes que é um objeto que me cativa), mas em uso mais ou menos regular, tenho quatro - uma na igreja, para não andar com ela em cada Sábado e três das que estão em casa com diferentes utilizações.

A da frente, é a minha Bíblia de estudo, com anotações, post-its e afins; a de trás com os marcadores de páginas, porque tem letras maiores é usada para quando quero ler uma extensão maior de escrita - ou não sofresse eu de um certo grau de zarolhice que chegou com a idade; e a da fita cor de rosa, porque tem anotações do editor sobre a época e os factos versados, uso quando às vezes quero satisfazer algumas curiosidades.

O certo é que qualquer método, é um bom método, se a motivação for responsável e sincera no desejo de aprendizagem.
E convém ter em conta que a Bíblia foi divinamente inspirada e que:


Aqueles que lerem esta publicação, perdoem o extenso da mesma, mas há publicações que me dão mais gozo do que outras a preparar e como tal, estico-me.
Quando às opiniões, cada um tem o direito às suas, e se as quiserem partilhar, terei muito gosto em as ler (como costume).

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Saudade

Já há algum tempo que não publicava nada que não sejam opiniões de livros. Por isso, avancemos.

Podia intitular esta publicação de Saudade, Confissão, A Nu, Sem Papas na Língua... etc, etc. Os títulos de que me lembro nestas alturas! porque quando quero um título para um conto é um sarilho.

Uma vez que nesta fase da minha vida, estou envolvida em leituras de cariz teológico e nem sei se vou opinar sobre cada um dos livros que já li, estou a ler e irei ler, para não me acusarem de impingir, vou falar de saudade.
Neste caso, saudade de uma amiga virtual.

Há uns anos, por um qualquer acaso, que isto da web leva-nos por aqui e por além fora, encontrei uma escritora.
Escrevia num blogue e eu gostava de a ler.
Passado algum tempo, perdi-a para a voltar a encontrar, de novo por acaso e desde este segundo encontro que passamos a ser "amigas". Amigas de facebook e de blogue.
Num mundo virtual, os amigos virtuais, são tão amigos quanto os outros de carne e osso. Em patamares diferentes - se não forem nunca ultrapassados - mas com o mesmo nível, salvaguardadas as diferenças.

Gostava da forma como ela escrevia, fossem em prosa ou poesia. Com frieza, com amor, com seriedade, com humor... era vê-la a desfolhar palavras umas atrás das outras e eu a lê-las.

Neste nosso "relacionamento" tive a oportunidade de ser agraciada com algumas obras suas. Dois e-books e dois livros em formato papel, com o devido autografo que não falava de amizade eterna, mas pelo menos de uma boa amizade, até que um dia...

Porque eu sou uma despudorada e leio e comento quem me apraz, cometi o erro de comentar uma publicação, em um blogue de uma determinada rival dessa pessoa.

Levei uma descasca, em que não era merecedora das confissões que me fizera e consequentemente da sua amizade e fui banida da sua vida virtual.

Isto tudo para dizer que não acho que o mundo mereça o nosso dissabor. Estamos aqui para ser "amigos", partilharmos as coisas que gostamos uns com os outros e ainda que pelo meio das partilhas haja gente que não interesse a uma parte ou a outra, não devemos fazer de isso a medida para continuar ou não.

Perdi uma amiga, virtual, mas era uma amiga - pelo menos eu achava que sim - e perdi-a.

E neste momento, deu-me saudade!!



Foi por isso que publiquei isto, hoje.




sexta-feira, 28 de abril de 2017

Oferta

Depois de vos atormentar durante uma semana com literatura cristã, não poderia encerrar este capitulo sem uma oferta, para quem se deu ao trabalho de ler as minhas publicações.

A editora, imaginando que poucas pessoas tenderiam a ler cinco livros de uma assentada só (até porque um deles tem estado esgotado) aproveitou e re-editou um livro que condensa num só, esses cinco.



Escolheu alguns capítulos de cada um deles, os suficientes para que o livro pudesse estar interligado do principio ao fim, sem no entanto ter o numero de páginas que os cinco acarretariam.

A História da Esperança, inicialmente intitulado História da Redenção, tem trezentas e poucas páginas e está ao v/alcance, se apenas (desejando receber) fizerem um comentário nesse sentido.

Se não quiserem, amigos como dantes, e podem comentar na mesma.


segunda-feira, 17 de abril de 2017

O Grande Conflito





Assim muito resumidamente, este livro conta a história do cristianismo e do fim do mundo

Publicado originalmente em 1888.
Pelo que você vê, lê e ouve, pode achar que no conflito entre o bem e o mal, este último esteja vencendo. As notícias são desanimadoras - violência, fome, guerras, desemprego, poluição, corrupção, doenças, acidentes e muitas outras calamidades. Os meios de comunicação podem dizer-lhe o que está a acontecer, mas este livro revela por quê. E diz também o que você jamais ouvirá no noticiário - o que ainda está por acontecer. 
Partindo do alvorecer da era cristã, este livro retrata a ascensão e queda de nações e poderes religiosos até aos nossos dias, e então avança futuro adentro, baseado numa fonte que nunca falhou em suas profecias - as Escrituras Sagradas. Anime-se. A guerra está no fim e você ainda pode escolher de que lado estará quando tudo terminar.

As capas variam conforme as edições, e o que eu tenho nem capa tem que é e-book. Mas optei por esta que faz parte da edição dos anteriores.

É uma leitura que nos dá que pensar e não é própria para ser lida de ânimo leve. Lê-se sem dificuldade, mas é preciso capacidade para assumir que tudo o que se está a ler já fez, está a fazer e vai fazer parte da nossa realidade. Quer queiramos quer não, quer gostemos quer não.


terça-feira, 4 de abril de 2017

Os Atos dos Apóstolos

Os líderes judeus imaginavam-se demasiado sábios para necessitar de instrução, demasiado justos para necessitar de salvação e demasiado honrados para necessitar da honra que vem de Cristo. O Salvador afastou-Se deles para outorgar a outros os privilégios de que tinham abusado e a obra que haviam negligenciado. A glória de Deus tinha de ser revelada e Sua Palavra confirmada. O reino de Cristo tinha de ser estabelecido no mundo. A salvação de Deus tinha que se tornar conhecida nas cidades do deserto; e os discípulos foram chamados para fazer a obra que os líderes judaicos deixaram de fazer.

Após a ressurreição de Cristo e a sua ascensão, os Apóstolos tiveram como missão, a difusão das novas da salvação que Cristo lhes deixou, para todos os povos.

Este livro, retrata a vida dos Apóstolos nessa missão, incluindo a conversão dos que eles contactavam, a perseguição que a igreja cristã no geral e cada um deles em particular sofreram durante as suas vidas, que custou a alguns a morte e a outros o exílio.



segunda-feira, 3 de abril de 2017

O Desejado de Todas as Nações



Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigénito, para que todo aquele que n'Ele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
João 3:16

Neste livro, a autora apresenta a Jesus como a Plenitude da Divindade, o infinitamente misericordioso Salvador dos pecadores, o Sol da Justiça, o clemente Sumo Sacerdote, o Médico de todas as moléstias e enfermidades humanas, o terno e compassivo Amigo, o Companheiro constante, dedicado e sempre presente, o Príncipe da Casa de Davi, o Escudo de Seu povo, o Príncipe da Paz, o Rei Vindouro, o Pai da Eternidade, o cumprimento dos desejos e esperanças de todos os séculos. 


O livro descreve de maneira maravilhosa o plano da redenção e o papel de Jesus Cristo nesse plano, bem como nos conta detalhes esclarecedores da vida do maior de todos os mestres.

Entranhando-nos no cenário cultural do período e da nação judaica, em que Jesus nasceu, entendemos mais facilmente o significado das suas palavras e ações, embora sempre atuais e eficazes para todos os séculos e povos, tão somente sejam aceites.

Mais não me alongo que corro o risco de alguém achar que estou em fase de evangelismo, ou pode alguém dizer como um determinado comentador disse há uns anos : ler com cuidado porque este livro indica-nos as doutrinas da igreja adventista do 7º dia.
Eu acrescentaria: ler com cuidado porque este livro indica-nos as doutrinas bíblicas e a igreja adventista segue-as.

Tinha que fazer este aparte, uma vez que a autora era Adventista do 7º Dia.

Felizmente, também houve um comentador que disse: o maior caso de amor já visto pelos mortais.

Só lendo, que palavras leva-as o vento e cada um deve concluir de si mesmo e não do que os outros opinam.